Volvo inicia venda de caminhões elétricos na Europa

Modelos FL e FE para operações urbanas estão programados para entrar em produção em março de 2020

Volvo FL elétrico Crédito: Volvo Trucks

A Volvo Trucks anuncia que começou a aceitar encomendas dos caminhões elétricos FL e FE. Inicialmente, as ofertas estarão disponíveis para os mercados da Suécia, Noruega, Alemanha, Suíça, França e Países Baixos. Programados para entrar em linha de produção a partir de março do ano que vem, a fabricante espera que a iniciativa promova novas oportunidades para o planejamento urbano e a infraestrutura viária.

Os caminhões são destinados para as aplicações urbanas. Como não emitem gases poluentes e atuam com reduzido nível de ruído, os veículos permitem reorganizar o sistema de transporte de carga nas cidades, como entregas ou coletas de resíduos em horários flexíveis, fora dos momentos de pico, contribuindo com a redução nos congestionamentos.

De acordo com a fabricante, os elétricos FL, com peso bruto total de 17 toneladas, e FE, de 27 toneladas, foram desenvolvidos em estreita colaboração com transportadores que operam em Gotemburgo, na Suécia, cidade onde está localizada a matriz do Grupo Volvo.

“As soluções da Volvo Trucks serão baseadas em necessidades comerciais individuais, contemplando uma série de parâmetros, como ciclos de operação, capacidade de carga e análise de rotas para utilizar a carga da bateria da maneira mais eficiente”, observa em nota Jonas Odermalm, vice-presidente de produtos de eletromobilidade da companhia.

De acordo com o executivo, a crescente urbanização requer ações urgentes na logística urbana, como também o uso de veículos sem emissões e mais silenciosos, mas pondera, no caso de elétricos, que ainda há pela frente desafios, como oferecer maior capacidade de carga, autonomia, além de infraestrutura.

“Estamos cientes de que a infraestrutura de recarga ainda está em desenvolvimento na maioria das cidades. A Volvo trabalha em conjunto com autoridades públicas e parceiros privados em busca de sua expansão a longo prazo”, diz Oldermalm. “Mas não existirá uma única fonte de energia que consiga abranger as mudanças climáticas e todas as outras questões ambientais. Diferentes tipos de transportes necessitarão de tipos diferentes de soluções em trem de força.”


Notícias relacionadas